Guarujá Vergonha 2: Recém inaugurado, Hospital do Guarujá tem péssimo atendimento pelas médicas

O recém Hospital do Guarujá que tem levado o título de um ótimo local de atendimento pelas suas lindas e novas instalações, peca no atendimento medico.

Na madrugada do dia 02/04 no domingo a noite (1 hora da manhã) levei minha esposa ao referido hospital pois estava com dores fortes. Comuniquei a a pseuda médica Dra Fabiana que ela tinha problemas de vesícula.

A Dra Fabiana não teve sequer o procedimento mínimo de fazer qualquer exame, seja de toque, seja ouvir os batimentos do coração.

Simplesmente ficou por 10 minutos teclando no seu computador e receitou os seguintes medicamentos;

Tramal, Buscopam, Tilotil, Dramim, Antak

Ignorou por completo a informação que tinha lhe passado sobre o problema da vesícula além de dizer que naquele horário o hospital não realizava, no mínimo, um procedimento de ultrassom.

Resumindo minha esposa está hoje em São Paulo em Hospital descente esperando cirurgia para operar a Veicula.

Quanto a Dra. Fabiana só resta um BO por negligencia.

É este atendimento que oferece aos Munícipes Dr. Walter Suman?

Guarujá Vergonha 1: Esposa de vice é ameaçada por vereadora de Guarujá

Ana Paula Leite, esposa de Renato do Gama, registrou boletim de ocorrência contra Andressa Sales.

Andressa teria entrado no Fundo Social gritando e foi impedida de agredir Ana Paula pelo próprio marido

A política de Guarujá não dá sinais de mudança e, mais uma vez, vira caso de Polícia. A esposa do vice-prefeito, Ana Paula Silva Braga Leite, registrou um boletim de ocorrência (2533/17) contra a vereadora Andressa Sales (PSB), líder do partido do prefeito Válter Suman (PSB) na Câmara, por ameaça.

O fato ocorreu  dentro da sede do Fundo Social de Solidariedade – Rua Cavalheiro Nami Jafet – onde Ana Paula é voluntária. A ocorrência ocorreu na tarde da última sexta-feira (31).

Segundo o documento policial, a esposa do vice-prefeito e secretário de Educação, Renato Pietropaolo, conhecido como Renato do Gama, estava no terreno da sede do fundo quando dois veículos, após insistente ‘buzinaço’, entraram ‘cantando’ pneus.

De um dos carros, desceu a vereadora Andressa Sales, além de vários homens de consistência física forte. A vereadora passou a gritar com a vítima, falando sobre política municipal, inquirindo Ana Paula “com extrema arrogância”, apontando o dedo indicador.

“Quem foi que lhe disse que estou querendo a cabeça do prefeito? Eu quero saber quem foi? Quer saber, o seu trono e o trono de seu marido (vice-prefeito) vão cair rapidinho. Isso não vai ficar assim”, disse a vereadora,  segundo narrado pela vítima (Ana Paula), na Delegacia Sede de Guarujá.

Agressão

Segundo conta, Andressa Sales não apenas apontou o dedo, como tentou agredi-la. Ana Paula informa que recuou amedrontada com a ameaça a sua integridade física. A filha da esposa do vice, de apenas quatro anos, passou a chorar com a dinâmica dos fatos.

Primeira Dama

Conforme informado à polícia, a esposa do prefeito Válter Suman, Edna Suman, que responde pela presidência do Fundo Social, saiu de dentro da sede do órgão e presenciou toda a cena, ficando bastante assustada.

Cercada

Ana Paula teria sido cercada pelos homens que acompanhavam a vereadora que foi impedida de agredir a vítima porque seu marido interviu gritando: “Andressa, vamos embora, agora”, conta Ana Paula, que está com medo de sair de casa, inclusive para trabalhar.

Mário Lúcio

Segundo consta no boletim de ocorrência, outro vereador, Mário Lúcio da Conceição (PR), não só presenciou tudo, como permaneceu na porta de entrada do Fundo Social impedindo a entrada e saída das pessoas.

Tudo filmado

Conforme Ana Paula, tudo teria sido filmado por um cinegrafista da Prefeitura de Guarujá, que estava no local para registrar um ato cívico.
Outras testemunhas também poderão prestar esclarecimentos à polícia que também obteve a informação que, curiosamente, antes de tudo ocorrer, um assessor da vereadora teria estado no Fundo pedindo doação de fraldas.

Os lados.

O Diário tentou, durante parte da tarde e início da noite de ontem, ouvir a versão da vereadora Andressa Sales e Mário Lúcio da Conceição, por intermédio de seus celulares e perfis nas redes sociais, mas não conseguiu contato, até o fechamento da reportagem.

Também tentou ouvir a versão do vice-prefeito Renato Renato Pietropaolo e obter uma avaliação sobre o possível desgaste político com o prefeito Válter Suman.

Somente por volta das 22 horas a Prefeitura de Guarujá, por intermédio de sua Assessoria de Imprensa, informou que      o prefeito Válter Suman ficou sabendo da situação superficialmente, mas que não iria se furtar a tomar uma posição sobre a grave situação.

“Estou ainda tomando ciência de todos os fatos e no momento certo irei me posicionar sobre o ocorrido”, disse Suman, em nota da Assessoria.

Já o vice-prefeito Renato Pietropaolo não se manifestou a respeito do episódio.

 

Guarujá recebe circuitos de corrida

Município lança calendário de 2017 para amantes da categoria.

Guarujá é destaque em diversas modalidades esportivas, que incluem surfe, skate, jiu-jitsu e também corrida. Com isso, reafirma a condição de destino propício ao esporte e, por esta razão, recebe novas competições.

Os projetos de corrida são realizados pelo Educa Guarujá e contam com o apoio do Guarujá Convention Visitors & Bureau, Prefeitura de Guarujá e Circuito Guarujá 10KM.

“O GCVB trabalha com o slogan Viva Guarujá o ano todo! e reconhece a importância de favorecer o esporte na cidade como caminho de sucesso para atrair um grande fluxo de visitantes, independentemente do segmento de sol e praia”, comenta João Carlos Pollak, presidente da entidade.

O calendário de 2017 reúne datas e locais de todos os circuitos de corrida que acontecem em cinco praias da Pérola do Atlântico:

Circuito Guarujá – 5K e 10K

30/04 – Praia do Tombo

16/07 – Praia Guaiuba

12/11 – Praia Enseada

21K Guarujá – 21K, 10K e 5K

10/09- Praia Enseada

Divas e Brutos – 4K e 8K

08/10 – Praia das Astúrias

Guarujá Race Night Evolution – 6K e 12K

09/12 – Praia Pitangueiras

OAB pede ação de autoridades contra Condomínio Iporanga

Ordem dos Advogados do Brasil de Guarujá solicita providências ao MPE, MPF e a outros órgãos ambientais.

A reportagem do Diário do Litoral, veiculada com exclusividade no último dia 6, sobre construções irregulares do Condomínio Iporanga, levou a 73ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Guarujá a encaminhar pedido de providências ao Ministério Público Federal (MPF), no último dia 10, em Santos.

Condomínio Iporanga construiu edificações no entorno da cachoeira que deságua na praia e um bar sobre pedras marinhas na área conhecida como Rabo do Dragão 

Foto: Rodrigo Montaldi/DL

Também cobrando uma ação mais efetiva, a OAB-Guarujá enviou cópia do pedido à Prefeitura, Promotoria de Justiça do Meio Ambiente de Guarujá, à Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb) – ligada à Secretaria do Meio Ambiente do governo paulista – ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e à Secretaria de Patrimônio da União (SPU).

O condomínio, contrariando as leis que preservam áreas de proteção permanentes (APPs) e sem autorização de órgãos ambientais, construiu edificações no entorno da cachoeira que deságua na praia e um bar sobre pedras marinhas.

O condomínio está localizado na área conhecida como Rabo do Dragão. Para a OAB Guarujá, o condomínio pode ter cometido crime ambiental.

“Em reunião com a Comissão de Meio Ambiente da OAB, decidimos agir por acreditar ser um absurdo o que vem ocorrendo no Iporanga, retratado pelo Diário do Litoral. Dentro de nossas possibilidades, achamos por bem oficiar os órgãos competentes para que tomem as medidas cabíveis e investiguem se houve crime ambiental, como nós acreditamos”, afirma o advogado Glauber Rogério do Nascimento Souto, coordenador da comissão.

O advogado salienta que o papel do Ministério Público é investigar e acrescenta que mesmo que a área seja, temporariamente, cedida pelo Governo Federal, ao condomínio jamais poderia ter alterado a natureza para satisfazer suas vontades. “Nada pode ser modificado numa área de preservação permanente. A OAB quer uma investigação profunda sobre isso. A Prefeitura de Guarujá já deveria ter tomado alguma providência”, completa.

Presidente

A presidente da OAB, Simone de Oliveira Agria, respalda a iniciativa de Souto e ainda lembra uma situação bastante conhecida dos leitores do Diário: as regras impostas pelos condomínios para impedir a acessibilidade dos cidadãos comuns às praias.

“Essa situação é péssima. Não temos acesso. As pessoas são obrigadas a mostrar documentos, explicar porque querem ir à praia. Muitas vezes, não conseguem entrar em um patrimônio que é de qualquer brasileiro. Eu já vi esse deck e restaurante (bar). Não podemos entrar e nem uma água pode ser comprada.

O Glauber tem carta branca para agir em prol da sociedade”, finaliza Simone.

DL denuncia há anos. A Reportagem descobriu que o Ministério Público tem um inquérito aberto desde 1999. Esta semana, foi anexado ao processo, que possui vários volumes, cópia da reportagem do Diário pelas mãos do líder comunitário Sidnei Bibiano Silva dos Santos, morador da Estrada Guarujá-Bertioga.

Há cinco anos, o Diário do Litoral vem denunciando que há pelo menos três décadas as praias estão cercadas por condomínios de luxo cujos proprietários impõem regras próprias para não permitir acessibilidade aos cidadãos que não residem no local. A proibição ocorre justamente para esconder situações como a denunciada no último dia 6.

Em 2012, o Diário fez uma série de reportagens, que foi finalista do Prêmio Esso de Jornalismo, contando que a maioria da população de Guarujá é impedida de acessar as praias dominadas pelos condomínios Iporanga, São Pedro, Tijucopava e Itaguaí.  Só tem acesso às praias as pessoas que são submetidas aos critérios das direções dos condomínios, amparadas pela suposta falta de espaço nos estacionamentos particulares e possível depredação de área ambiental.

Em abril daquele ano, com exclusividade, o Diário publicou a última reportagem da série, dando conta que a Prefeitura de Guarujá tinha até junho para assumir o controle das praias, o que também não ocorreu. A determinação foi do então coordenador do escritório regional da Secretaria do Patrimônio da União (SPU), Sérgio Martins de Assis, que à época disse que os loteamentos não tinham autoridade para fazer o controle e só o poder público poderia estabelecer regras para o ingresso em locais de preservação, sendo a Prefeitura quem deveria assumir o controle, pois as praias são bens públicos, como determinam as constituições Estadual e Federal.

Sob o comando de Maria Antonieta de Brito (PMDB), a Prefeitura havia se prontificado em apresentar uma proposta que iria garantir que agentes públicos atuassem nas praias e no entorno delas. As portarias, por exemplo, primeiros obstáculos que limitam o ingresso, sairiam do controle dos loteamentos e passariam a ser administradas pela Guarda Municipal.

Atualmente, sob o comando de Válter Suman, a Prefeitura continua não se importando com a situação.

Condomínio

O superintendente do condomínio, Roberto Nagy, já se manifestou alegando que a construção (bar e cerca na cachoeira) já existia antes da lei que estabelece áreas de proteção permanente e que o bar estaria em área particular da Associação dos Proprietários do Iporanga.

Ele afirma que apenas fez uma reforma autorizada pela Prefeitura, “que concedeu alvará de construção. Também submetemos a reforma ao Ministério Público (MP). O pessoal do SPU também vem aqui”, disse, garantindo que alguns órgãos não se opuseram às construções.

 

Guarujá espera receber 1 milhão de turistas no feriado de Carnaval

Rede hoteleira deve atingir os 100% de ocupação durante os dias de folia

Um dos principais destinos turísticos do Estado, Guarujá espera receber 1 milhão de turistas durante o feriado de Carnaval.

De acordo com a Prefeitura, a rede hoteleira da Cidade deve alcançar entre 70% e 100% de ocupação. Ao todo, são cerca de 9.600 leitos disponíveis, incluindo hotéis, pousadas e resorts.

Em função do esperado aumento de turistas, a  cidade receberá o reforço de 200 policiais militares, que ficarão no Município até a próxima quinta-feira (2). Durante o feriado, os agentes realizarão policiamento ostensivo com bicicletas na orla da praia, blitz, posicionamento fixo de viaturas em locais de grande movimentação e ronda a pé nos calçadões da praia 24 horas por dia.

 Programação
 Além das bandas, atividades culturais e palcos, Guarujá terá apresentação de escolas de samba em seus bairros de origem. Serão 37 bandas espalhadas pelas ruas.
 Oito escolas de samba desfilarão no município, porém sem a presença de comissão julgadora, devido à crise econômica. A apresentação acontece entre os dias 24 a 28, em diversos bairros.
 Nesta sexta-feira (24), a Escola de Samba Guarujá desfila às 20h, na Rua São Jorge, e a Amazonense se apresenta na Via Santos Dumont, às 22h. No mesmo dia, na Praça do Povo, a Escola de Samba Imperador da Ilha desfila às 23h30.
 No sábado (25), duas escolas de samba se apresentam, sendo elas a Caminho da Paz, no bairro Santo Antônio, às 21h, e Vem que Dez, às 22h30, em Vicente de Carvalho. No domingo (26), é a vez da Escola de Samba São Miguel, às 19h30, na Enseada, se apresentar, no mesmo dia em que a Renascer desfila às 21h30, no bairro Santa Cruz.

Encerrando a folia, a Escola de Samba São Jorge desfila às 21h, em Vicente de Carvalho.

Guarujá vai ganhar uma nova marina este ano

Até o final do ano, o Guarujá ganhará mais uma marina. Será a Mondblu, do mesmo grupo da representante oficial das marcas Intermarine e Sea Ray na região, a SP Marine. A nova marina será dedicada aos barcos de médio e grande porte, como são os das marcas que ela representa.

No entanto, será aberta a barcos de qualquer marca, com uma capacidade estimada de 20 grandes lanchas na água e outros 70 barcos menores no seco, em um grande galpão com 12 metros de altura e todos os recursos para a movimentação de grandes embarcações.

A nova marina, que ocupará a mesma área do extinto estaleiro Axtor, no Cing, também terá uma parte reservada para o atendimento de clientes da Mondblu. “Será um centro de excelência de serviços pós-venda”, diz Ivan Batagini, do grupo SP Marine. “Nunca houve nada parecido no Guarujá”, garante.

Quiosques de Guarujá têm nova data para inauguração

Quem andar pelo calçadão da Praia da Enseada, na orla de Guarujá, encontrará obras no lugar dos 54 novos quiosques que estavam previstos para 15 de dezembro. A nova data de entrega é depois do Carnaval. Apesar disso, os quiosqueiros agradecem: não terão seu ganha-pão demolido na temporada nem terão gastos com isso: a empresa de comunicação Front 360 fez um contrato para custear a obra dos novos equipamentos, em parceria com a Ambev, prevendo exclusividade na venda de produtos.

A não ser que ocorra um novo imbróglio jurídico, a situação parece estar perto do fim. Em 2008, a Prefeitura disse que demoliria os antigos 95 quiosques montados na praia, a pedido do Ministério Público Federal (MPF), pois a Secretaria de Patrimônio da União (SPU) não autoriza construções na areia.

O assunto se desenrola desde então e culminou numa conciliação proposta pela juíza federal Alessandra Nuyens Aguiar Aranha, do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3). Ela, até, venceu o Prêmio Conciliar é Legal 2016, na categoria Demandas Complexas, em dezembro.

O que houve

Para resolver o problema, que durava anos, ela determinou que ficasse a cargo dos quiosqueiros a construção dos novos equipamentos, cujo projeto foi feito pela Prefeitura.

Na época, cada obra estava orçada em aproximadamente R$ 100 mil. Em troca, os permissionários que teriam os quiosques demolidos receberiam a concessão (que já detêm para estar lá) por mais cinco anos. Depois do prazo, uma licitação decidiria o gerenciamento dos novos espaços, que seriam pagos por eles – e, agora, pela Ambev.

A juíza também ordenou que a multa de R$ 7 milhões, aplicada à Prefeitura por descumprir um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), fosse revertida na reurbanização da praia.

A obra não aconteceu, nem os quiosqueiros tiveram dinheiro para a construção, como explica Maria do Carmo Sales, de 55 anos, dona de um dos quiosques há 19 anos.

“Olha, ficou decidido que a gente se virasse. Só que, graças a Deus, encontramos um anjo na nossa vida, que é a Ambev, que foi uma bênção para nós, e a Front. Eu realmente achava que estava tudo perdido, que iam derrubar nosso quiosque e íamos ficar sem nada, porque não tinha dinheiro para fazer”, diz ela, sem saber explicar o que o contrato exige em troca.

Emprego

Vivian Sales, de 31 anos, que trabalha há mais de 20 no quiosque da mãe, conta temer pelo emprego de muitos colegas. Dos cerca de 90 quiosques, só 54 poderão persistir. “Como os outros vão se sustentar? Deveriam ir todos”.

Amélia Costa, presidente da Associação da Orla do Guarujá (AOG) – que entrou no lugar de Marcello Nicolau, agora secretário adjunto de Turismo –, confirma as informações e cita que a empresa responsável pela obra será a GH 23.

A Secretaria Municipal de Infraestrutura e Obras de Guarujá, na gestão anterior, explicou que haverá acessibilidade, como previsto no Plano de Intervenção Urbanística (PIU), a ser instituída a partir do próximo mês.

Cesar David, vice-presidente executivo da Front 360, explica que a empresa está muito feliz pelos trabalhadores e também por contribuir com o desenvolvimento econômico e social do Município. Segundo ele, a obra atrasou devido aos dias de chuva e porque algumas etapas da construção precisaram de trabalho conjunto com Prefeitura e companhia de energia elétrica.

A entrega será somente após a temporada porque será preciso ligar água e esgoto, serviço para o qual a Sabesp precisa de mais tempo.

1 2 3 4